Cartas de Amor aos Mortos, de Ava Dellaira

terça-feira, 21 de novembro de 2017

Cartas de Amor aos Mortos tem esse título intrigante, que nos faz perguntar o que realmente vamos encontrar no livro, e tenho de dizer, é muito longe do que eu esperava ser. Esse foi um dos livros que comprei na Bienal do Livro de São Paulo, em 2016, quando Ava veio ao Brasil, inclusive tive o livro autografado por ela – que é muito simpática, por sinal. 
“Tenho pensado nisso. No que significa ver a infinidade de cada momento, de cada parte. Quero ser purificada, quero queimar todas as lembranças ruins. E talvez a paixão faça isso. Que uma vida, uma pessoa, um momento que você precisa manter, fique com você até a eternidade.”

Relato de uma pessoa ansiosa

sexta-feira, 17 de novembro de 2017
Estou andando na rua, na faculdade ou até mesmo dentro de casa e começo a sentir aquele aperto, aquela angústia, a vontade de sair correndo e gritar até não poder mais, é mais uma crise vindo.
Quero me deitar em posição fetal e chorar, quero um abraço apertado da pessoa que amo, quero desistir de tudo, quero não ter mais que me preocupar, que pensar, quero correr de tudo e de todos, as vezes pra nunca mais voltar.

Não é só o corpo

terça-feira, 24 de outubro de 2017
Acordei e fiquei enrolando na cama, o dia estava lindo do lado de fora, mas também do lado de dentro, preguiçoso, com meu gato deitado ao meu lado de motorzinho ligado, me trazendo todo o amor e aconchego possível. Comecei a listar mentalmente tudo que tinha a ser feito, mas resolvi deixar e lado e aproveitar o momento, que no final durou cerca de uma hora.

Me levantei e fui tomar um banho, mais uma vez me pus a listar as tarefas do dia e comecei a me estressar, porque temos de fazer tantas coisas em tão pouco tempo? Acabamos deixando de fazer o que queremos, o que nos traz calmaria. Fui fazer meu almoço, recolhi a casa e após almoçar com toda a calma do mundo enquanto assistia a uma das minhas séries preferidas, decidi que seria isso que faria o resto do dia.