Resenha literária: O que há de estranho em mim

domingo, 10 de julho de 2016
Você já pensou em um dia sair em uma viagem pro Grand Canyon com seu pai, no meio do caminho parar em Las Vegas pra se divertir um pouco e logo depois descobrir que na verdade não há viagem alguma, que você na verdade está sendo mandada pra um reformatório comportamental? Tudo assim, do nada, sem explicações ou conversa. Imaginou isso? Pois é o que acontece com Brit, a protagonista do livro O que há de estranho em mim, da Gayle Forman, autora também de Se eu ficar e Eu estive aqui.
Como vocês podem ver o livro foge completamente de um conto de fadas, de uma história que você poderia encontrar em qualquer canto por aí. Brit é uma jovem de quinze anos, descontraída, guitarrista da banda Clod, que fantasia o mundo e já passou por muita coisa.
Ela foi criada pelos pais mais amáveis do mundo, com uma mãe que tinha o jeito mais descontraído e diferente de lidar com as coisas, e um pai que embarcava em todas as novidades e loucuras, até que as loucuras começam a ficar sérias, Laura, a mãe de Brit, é diagnosticada com esquizofrenia, mas ela não confia nos médicos e insiste em não se internar ou tratar com terapia ou remédios, sendo assim ela afunda cada vez mais na doença, a ponto de não reconhecer nem o marido, a filha ou a mãe, e some no mundo, ninguém mais a encontra. O pai, querendo superar isso, pede um divorcio, muda de emprego, e nesse acaba conhecendo a Monstra, com quem se casa e tem um filho, Brit odeia isso, o pai mudou, tudo mudou após o sumiço da mãe.
O pai a leva para o reformatório Red Rock, sem fazer a menor ideia do que Brit iria passar lá dentro. As propagandas eram as melhores, prometiam a "cura" pra tudo, só que a verdade não era essa, o tratamento e as condições dadas pelo reformatório eram totalmente contrárias, que muitas vezes não curavam, e até mesmo pioravam ou criavam novas situações. Brit se vê sem saída, ela está cansada, judiada, não aguenta mais tanta injustiça, tantos "ataques" feitos, não saber porquê está ali, e decide mudar isso, pra ela, e pra todas as outras internas que estavam ali forçadas, sem que os pais fizessem a menor ideia do que se passava ali, tudo com ajuda das Irmãs Insanas.
O livro prende você depois de uma certa parte, e quando chegar na altura do capítulo 26, vai querer muito ficar sabendo quais serão os próximos acontecimentos, isso inclusive fará você acordar mais cedo em pleno sábado, tudo pra saber o que acontecerá com Brit e as Irmãs. O livro tem 214 páginas, da editora Arqueiro, é de leitura fácil, nada maçante, e a autora se baseia em fatos reais para escrever a história.
"Ao internar a filha numa clínica, o pai de Brit acredita que está ajudando a menina, mas a verdade é que o lugar só lhe faz mal. Aos 16 anos, ela se vê diante de um duvidoso método de terapia, que inclui xingar as outras jovens e dedurar as infrações alheias para ganhar a liberdade. Sem saber em quem confiar e determinada a não cooperar com os conselheiros, Brit se isola. Mas não fica sozinha por muito tempo. Logo outras garotas se unem a ela na resistência àquele modo de vida hostil. V, Bebe, Martha e Cassie se tornam seu oásis em meio ao deserto de opressão. Juntas, as cinco amigas vão em busca de uma forma de desafiar o sistema, mostrar ao mundo que não têm nada de desajustadas e dar fim ao suplício de viver numa instituição que as enlouquece."
Já me segue nas redes sociais? Não? Então bóra seguir porque tem sempre muita coisa legal por lá!

Sophia Cuñado

6 comentários:

  1. Só pelo nome da madrasta já da pra saber que ela não é legal ne haha.
    Que triste Sophi, como pode um homem fazer isso? Largar a filha e a esposa e recomeçar como se nada que ele teve importasse? Achei bem chocante isso. Mas me fez lembrar um tipo de Fallen, ela também foi para um reformatório - embora as circunstancias fossem completamente diferentes.
    Só da citação do começo- que vi a foto no insta. já achei interessante esse livro :D
    dezoitoemponto.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Monstra é o apelido que ela dá pra madastra kk O pior de tudo é o que a autora conta no final, que o livro foi escrito usando a experiência dela que já trabalhou em revistas jovens, e que essas coisas realmente acontecem, pelo menos nos EUA, é triste mesmo, falta de apoio familiar. Tô lendo outro livro que logo logo sai a resenha que tem a mesma coisa, a mãe não está mais presente e o pai simplesmente se casa sem consultar, sem conversar nem nada, apenas anuncia que tudo vai virar de cabeça pra baixo, e infelizmente isso também é uma realidade. Eu só vi a citação quando terminei de ler, acredita? Mas achei tão carinhosa que tive de postar ♥

      Excluir
  2. Sophia estou em choque.
    Julguei o livro pela capa e pensei que fosse uma história completamente diferente.
    Sério! Eu amei a sua resenha, conseguiu me prender e convencer a ir atrás do livro.

    Beijos
    www.saidaminhalente.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A capa realmente passa uma mensagem um tanto diferente! Fico feliz que tenha gostado, realmente recomendo o livro, me surpreendeu demais tanto a história quanto a escrita! ♥

      Excluir
  3. Sophia, você me deixou com muita vontade de ler esse livro! Ótima resenha! Quando vi a capa pensei que seria algo sem graça ou algo do tipo, superou minhas expectativas! Agora vou ter que sair e ir atrás do livro! haha Bjuus!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A capa realmente passa uma impressão completamente diferente, mas o livro é de uma história e escrita surpreendente, vale super a pena ♥

      Excluir

Oba, deixa um comentário aqui dizendo o que achou do post!